Weby shortcut
Cobra enrolada em um cajado, fundo azul com símbolo de asterisco.

Médicos Goianos Suspendem Atendimento a Seis Planos de Saúde

Coordenado pelo CremeGO, a medida foi tomada como um ato de protesto.

Charles Calisto Souza

De 06 a 21/06/2019 médicos não vão atender usuários dos planos de saúde Amil, Cassi, Capesesp, Fassincra, Pomed Imas, exceto casos de urgência e emergência terão atendimento. Estão suspensas consultas, exames e outros procedimentos eletivos. Ao todo 200 mil usuários ficarão sem atendimento, destes, 70 mil são do Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas)

Segundos os médicos, os planos oferecem menor valor pago pela consulta, atrasam o pagamento, não negociam com a categoria. Segundo Leonardo Reis, presidente do Sindicato dos Médicos de Goiás (Simego), nesta semana o Imas completou seis meses de atraso no pagamento das consultas e "existe uma péssima relação entre os médicos e a presidência do Imas". O valor das consultas é muito baixo - R$ 42,54 - e faz com que os médicos atendam no máximo 3 pacientes do plano por dia. Leonardo diz que "ou o médico faz isso ou vai ter que fechar o consultório, por isso é tão difícil para o usuário marcar suas consultas".

Ademar Cardoso dos Santos, gerente de atendimento ao usuário, diz que existe um acordo com os hospitais para o cumprimento das consultas previamente agendadas, o que mudou foi a impossibilidade de novas marcações para os dias do protesto.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), responsável pela regulação das empresas fornecedoras de planos de saúde, em nota, afirma que é obrigação dos planos a garantia de atendimento aos usuário.

Também em nota, a Cassi informou que seus usuário podem ser consultados na CliniCassi, em Goiânia, entre os dias 17 e 19. Eles podem ainda remarcar os procedimentos na unidade em Goiás ou na Central de serviços do plano de saúde.

Promed afirmou que não se pronunciaria sobre o caso. Fassincra não foi encontrada pela reportagem. Já os planos Amil e Capesesp não enviaram respostas até o fechamento da reportagem.

 

Fonte: Secom/UFG

Categorias: notícias Notícia